quarta-feira, 10 de abril de 2013








XXXVIII Concurso Internacional Literário Livro a ser editado: "Os sete pecados capitais" Poesia, Conto e Crônica - PRAZO ATÉ: 31/03/2013 Regulamento do XXXVIII Concurso






























quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Alice Cristina Canto Cardoso

Alice Cristina Canto Cardoso -
País das loucuras deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Rede Social de Textos":

Todos nós somos loucos,
Afinal, vivemos no país das loucuras
Onde tudo tem um jeitinho,
Onde o crime é aplaudido de pé no governo,
Onde os ratos discursam e são aclamados,
Onde a justiça é cega, de fato,
Onde a marginalidade é respeitada,
Onde ser honesto é motivo de piada,
Onde bandidos tem patente e farda,
Onde a corrupção é uma epidemia,
Onde ser assassinado é aumentar os números das pesquisas,
Onde os homens de bem se refugiam atrás das grades de casa,
Onde as crianças trabalham nas ruas para sustentar suas famílias,
Onde os idosos são espancados e discriminados,
Onde os mendigos são queimados vivos enquanto dormem,
Onde a inocência é violentada,
Onde a água doce vira deposito de esgoto,
Onde os delinquentes planejam e executam seus crimes direto da cadeia,
Onde a polícia é conivente e conveniente com a bandidagem,
Onde o dinheiro dos fiéis das igrejas enriquece ilicitamente seus diligentes,
Onde o branco é encardido,
Onde o preto é desbotado,
Onde o podre não é descartado,
Onde o bom apodrece para ser ingerido,
Onde os absurdos são tão normais,
Onde só sobrevivem os hipócritas!

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Novo momento Editorial


As alternativas de auto-publicação explodiram de tempos para cá e várias  editoras e pequenas gráficas colocaram-se à disposição dos novos autores.

Novo momento editorial


As alternativas de auto-publicação explodiram de tempos para cá e várias  editoras e pequenas gráficas colocaram-se à disposição dos novos autores.
<a href="http://www.giraldo.oeg/publique seu livro.htm" target=_blank>Leia mais</a>
Blogger umapessoacomovoce disse...
LUIZ RENATO JUNQUEIRA BIGIO - SOLIDARIEDADE


Invisíveis aos olhares preconceituosos,
dos cegos pela conveniência do egoísmo,
vislumbram-se espectros sinuosos
no úmido e infecto passadiço.

Corpos esquálidos, abraçados pela escuridão,
acalentados pela chuva, fria, que cai; torturante,
entorpecidos pelo sono da cola; escravizante,
dormem..rostos no chão,
nossos irmãos,
filhos bastardos de uma sociedade cruel,
renegados à morte social, à vida sem amor,
recheada de fel.

E das crianças, então..
o que se falar?
netas da ruas que são..
feridas, imundas, sofridas, tal qual
vivessem no mundo animal.
O que o amanhã lhes trará?

Em seus olhares, apesar do escuro,
vemos tristeza, desesperança, resignação..
pois sabem que seus planos para o futuro
limitam-se à posse de mísero naco de pão.

Retire a venda da indiferença, para ver além do olhar ..
e entenda:
enquanto, sob condição indigna de vida,
houver sequer um irmão,
felicidade completa não sentirá
no fundo do seu coração.

Abra as janelas de sua alma,
respire os odores - nem sempre agradáveis - da vida real,
preste auxílio aos necessitados;
ame os desafeiçoados;
perdoe a quem lhe fez mal.

E receba de volta a maior paga
que a alguém se pode desejar:
O amor incondicional.
2 de agosto de 2011 14:21
Excluir
Blogger Vivi disse...
Moldura


Contemplava a moldura vazia
Da mesma forma
Que o futuro,
Mas o presente
Estava diante dos meus olhos - aquarela.
A parede pálida convidava
Um adorno,
E assim foi habitada.
Aquela moldura
Guarneceu outro destino.

vilma ferreira
(todos os direitos reservados)
4 de agosto de 2011 10:35

Solidariedade

Blogger umapessoacomovoce disse...
LUIZ RENATO JUNQUEIRA BIGIO - SOLIDARIEDADE

Invisíveis aos olhares preconceituosos,
dos cegos pela conveniência do egoísmo,
vislumbram-se espectros sinuosos
no úmido e infecto passadiço.

Corpos esquálidos, abraçados pela escuridão,
acalentados pela chuva, fria, que cai; torturante,
entorpecidos pelo sono da cola; escravizante,
dormem..rostos no chão,
nossos irmãos,
filhos bastardos de uma sociedade cruel,
renegados à morte social, à vida sem amor,
recheada de fel.

E das crianças, então..
o que se falar?
netas da ruas que são..
feridas, imundas, sofridas, tal qual
vivessem no mundo animal.
O que o amanhã lhes trará?

Em seus olhares, apesar do escuro,
vemos tristeza, desesperança, resignação..
pois sabem que seus planos para o futuro
limitam-se à posse de mísero naco de pão.

Retire a venda da indiferença, para ver além do olhar ..
e entenda:
enquanto, sob condição indigna de vida,
houver sequer um irmão,
felicidade completa não sentirá
no fundo do seu coração.

Abra as janelas de sua alma,
respire os odores - nem sempre agradáveis - da vida real,
preste auxílio aos necessitados;
ame os desafeiçoados;
perdoe a quem lhe fez mal.

E receba de volta a maior paga
que a alguém se pode desejar:
O amor incondicional.
2 de agosto de 2011 14:19

Moldura

Moldura
Vilma Ferreira


Contemplava a moldura vazia
Da mesma forma
Que o futuro,
Mas o presente
Estava diante dos meus olhos - aquarela.
A parede pálida convidava
Um adorno,
E assim foi habitada.
Aquela moldura
Guarneceu outro destino.

vilma ferreira
(todos os direitos reservados)
4 de agosto de 2011 10:35
Excluir

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Rede Social de Textos

REDE SOCIAL DE TEXTOS
Publique seus artigos e trabalhos no Blog
Contribua com suas análises críticas sobre os textos apresentados. O objetivo será o de todos participarem no esforço de aprimoramente de cada um.
Textos selecionados e textos preparados a convite ficarão expostos na área " Textos Comercializáveis" com Jornais e Revistas do Brasil e do Exterior.
Brevemente as informações sobre contratação, direitos autorais e remuneração pelos contratantes de artigos e trabalhos para publicação estarão na área "Contratos".
Envie já aquele texto que você acha que está bom. Não se intimide com possíveis críticas, pois elas (sempre com o respeito devido) serão expostas no sentido de auxílio ao aprimoramento.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Reformulação do Blog Edições AG

A partir de hoje: 22/07/2011, vamos iniciar a Rede Social de Textos, similar ao YouTube para vídeos. Os textos poderão ser avaliados pelos participantes de cada grupo formado (poesia, conto, crônica, ensaio, roteiro de curta e longa metragem, peça de teatro, etc...) que contribuirá assim para uma leitura crítica (no bom sentido) da obra no intuito de aprimoramento de cada participante. Cada grupo contará com um Moderador escolhido pelos associados ao Grupo e que cuidará para que haja o melhor aproveitamento para todos. Paralelamente iniciaremos a montagem das Oficinas e dos Grupos de Discussão e Debates sobre a Arte de Escrever. Cada autor associado ao Blog poderá iniciar a discussão de qualquer tópico cujo teor lhe interesse saber mais e ter uma visão mais ampla do assunto. Por exemplo:
Como usar o Twitter para aprimorar nossa escrita? É possível?
Regras na poesia ainda são cabíveis hoje?
Etc....

Um abraço

Arnaldo Giraldo
Edições AG
www.giraldo.org
agiraldo@uol.com.br